Prop para iniciar o ano

Inegavelmente as redes sociais são ferramentas incríveis para divulgação do nosso trabalho. Eu diariamente recebo diversos vídeos e fotos de alunos que colegas professores de piano publicam em suas páginas no Facebook ou Instagram, por exemplo.

Uma tendência crescente que observo, sobretudo entre professores americanos, é o de usar props. Props são qualquer tipo de acessório utilizado para compor uma fotografia: óculos, chapéus, placas gigantes, etc…

Qualquer coisa que possa tornar a foto interessante a uma primeira vista, e que fará com que os usuários das redes que deslizam o dedo na tela freneticamente fazendo dezenas de imagens rolarem em sua face pararem para olhar a sua foto especificamente. Entre os professores a utilização de plaquinhas com exclamações sucintas tem sido uma forma divertida de reconhecer uma determinada conquista ou realização de seu aluno, bem como divulgar as diversas atividades que ocorrem nas aulas (compor, ganhar um jogo, terminar um livro, etc…).

No blog Teach Piano Today você poderá encontrar estas placas em belos layouts para baixar e imprimir gratuitamente (confira clicando aqui). Infelizmente estas placas estão escritas em inglês. No Brasil a professora Daiane Raatz, com a aprovação dos blogueiros, fez a tradução destas placas para uso pessoal.

Um dos meus propósitos para este ano será o de testar com meus aluno será o de testar estes props e sua influencia na motivação dos estudantes, já que a maioria deles têm acesso às redes e poderá ver o seu rostinho nas páginas do Studio ou a possibilidade de aparecer nelas. Criei minhas próprias placas em português, os quais irei compartilhar com vocês!

DSCN0006.JPG

Para iniciar o ano já em voga, a primeira placa será, claro uma frase bem positiva a respeito do ano que virá: “vou arrasar no piano”. Inclua no espaço em branco ao topo da página o ano ao qual fará referência. Você pode fazer download da placa abaixo ou na página Para impressão. Cogite plastificar a folha para em 2019 apagar e reescrever o novo ano, reutilizando a placa.

Nota: É sempre importante pedir permissão aos pais dos estudantes mais novos para publicação de suas fotos na internet. Se possível disponha de autorizações para uso de imagem para os pais assinarem.

Placa Vou Arrasar no piano.pdf

Anúncios

Conheça o meu Estúdio

Em dezembro de 2017 me mudei para novo endereço, para uma casa melhor localizada na minha cidade e onde há mais espaço para eu dar aulas. A mudança foi um turbilhão, o transporte do piano foi agendado para o fim de novembro enquanto eu estava no Encontro de Pedagogia do Piano em Santa Maria!!! Por alguns dias precisei transitar entre o endereço novo e o antigo para dar aulas e carregar materiais antes da mudança definitiva.

Aqui há uma foto da chegada do piano registrada pela minha mãe:

P24-11-17_15.05.jpg

Gostaria de compartilhar com vocês como meu estúdio está organizado este ano. Gosto de bastante espaço porque é muito difícil para mim dar aulas sem movimentos corporais. Para manter o espaço amplo me preocupei em me organizar no menor número de armários possível. Os armários estão cheios de cestas e pastas fáceis de serem empilhadas e manuseadas facilitando a busca de materiais mesmo que estejam mais embaixo. Como também gosto de incluir na aula momentos breves de atividades longe do piano, e já tendo em mente as aulas coletivas dos meus alunos, incluí na sala também uma mesa arredondada. Para sentarem ao redor da mesa serão utilizadas banquetas para piano (que ainda precisam ser adquiridas!!).

Fiz um singelo vídeo de apresentação do estúdio o qual você pode assistir abaixo. Espero que aprecie!

Imagem sonora – sons graves, médios e agudos

DSCN2685.JPG

Objetivos:

Associar os registros grave, médio e agudo com as direções e regiões do teclado do piano.

Conteúdos:

Altura;

Registros.

Número de jogadores:

1 ou mais.

Recursos necessários:

Cartões ou objetos em miniatura com as imagens escolhidas para auxiliar a criança na imagem sonora dos diferentes registros do piano.
Dica: Eu costumo utilizar o pássaro para o registro agudo, pois ele voa e tem o som do piado mais agudo, e o elefante com o registro grave, pois tem o caminhar pesados e fica somente no chão. Para o registro médio utilizo o cachorro, porque um cluster neste registro provoca um som parecido com o latido e as crianças gostam de reproduzir. Para trabalhar movimento melódico, utilizo as figuras de uma árvore e de nuvens para demarcar os registros, e o que se move é um balão, que hora sobe para o céu, hora desce para a árvore.

Descrição prática:

Crie um padrão melódico (de preferência que o estudante possa reproduzir) para cada registro e peça para a criança criar um movimento corporal para cada um.

Dica: Facilitará a associação se o movimento corporal já for associado às figuras que você tiver escolhido para cada registro, por exemplo: abanar as mãos para o alto como se fosse um pássaro voando no registro agudo, dar passos pesados no grave e imitar o abocanhado do cachorro no médio.

O professor irá tocar os padrões aleatoriamente, e a criança deverá fazer os movimentos que forem combinado.

Após algumas rodadas, peça para a criança explorar o teclado buscando imitar os padrões tocados pelo professor, ou, caso isto seja demasiadamente avançado, peça simplesmente para encontrar os sons (registros) de cada movimento e demarcá-los com as imagens ou os objetos em miniatura.

Criando imagens para edição de folhas trabalhos e jogos musicais

Imagino que muitos professores de piano estejam neste momento recebendo seus alunos de volta às aulas. Este é, portanto, tempo de revisar, decidi então compartilhar recursos para que vocês mesmos possam elaborar seus recursos de revisão. Pode ser que nem todos sejam adeptos das folhinhas de trabalho (ou teminhas de casa) para revisar elementos teóricos, de qualquer forma estes recursos que hoje lhes trago podem também ser usados para a elaboração de jogos personalizados por vocês mesmos.

A autora do blog Color In My Piano, Joy Morin, compartilhou há anos atrás em seu blog uma penca de imagens em png de diversos símbolos musicais, pautas em diferentes tamanhos, teclados de variadas extensões etc… As imagens em formato png são ótimas porque possuem fundo transparente, o que permite a sobreposição de símbolos em qualquer programa que permita a manipulação de imagens (Publisher, Inkscape, ou até mesmo o Word…). Além disto, este formato de imagem mantém sua qualidade, o que significa que a sobreposição de mais imagens não as deformará, por exemplo. Você pode baixar o pacote de todas as imagens editadas por Joy Morin clicando aqui.

Joy Morin também publicou em seu canal no Youtube um vídeo-tutorial explicando como você pode usar estas imagens no Publisher (que você pode assistir a seguir). (Eu gosto de trabalhar com o programa Inkscape, que é totalmente gratuito, mas confesso que o Publisher é mais rápido e simples no que se refere ao alinhamento de objetos).

Da minha parte, disponibilizo aqui  uma ferramenta para você criarem suas próprias imagens em .png. Trata-se de um arquivo aberto do Musescore onde há uma pequena pauta configurada para poder editar diversas imagens em tamanho padrão e com maior rapidez. Você poderá baixar este arquivo clicando aqui.

Para abrir o arquivo e editar você precisa ter instalado no seu computador o software de edição de partituras Musescore, que é totalmente gratuito e, diga-se de passagem, fantástico. Você pode fazer download do software no site oficial clicando aqui. Após acrescentar na pauta as notas ou símbolos que você precisar, basta exportar em png para depois carrega-lo nos mesmos programas de edição anteriormente citados (Publisher, Inkscape, Word…).

Para auxiliar quem ficar com dúvidas sobre como utilizar este arquivo que disponibilizei para vocês, fiz um singelo vídeo-tutorial que pode ser assistido no meu canal do YouTube ou abaixo.

Espero que aproveitem!

Flashcards

DSCN8734.JPGEstes cartões rápidos (ou instantâneos) são provavelmente a primeira coisa que o Google vai te mostrar se você procurar por jogos musicais, sobretudo em sites e blogs norte-americanos. Nada mais são do que cartões com alguma questão cuja resposta se encontra no verso. Utilizar flashcards significa olhar para a questão, dizer a resposta e virar para conferir. Parece tão banal que eu demorei a testar e a acreditar se realmente valeria a pena confeccionar os meus., mas há algo realmente mágico e poderoso no fato dos alunos poderem conferir suas próprias respostas e se corrigir caso esteja errado.

A maneira mais comum de se utilizar flashcards em aulas de música é para nomear notas, podem ser notas no pentagrama ou nas teclas, mas você pode criar os seus e utilizá-los para absolutamente qualquer coisa: armaduras de clave, intervalos, símbolos musicais, significados de termos italianos etc..

Eu digo agora que vale a pena. Se você testou, deixe aqui sua avaliação da utilização de flashcards nos comentários.